De Setúbal à Arrábida, na rota da poesia

De Setúbal à Arrábida, na rota da poesia

Deixar Setúbal e ir ao encontro da Arrábida é das viagens mais bonitas que se poderá fazer neste pais repleto de maravilhas. Posso parecer tendenciosa mas essa ilusão desaparecerá se percorrerem este trajecto por entre o verde que encima a paisagem e o azul que abre os braços ao olhar.

É que há locais que pedem por adjectivos ou por descrições cuja riqueza reflicta a sua beleza. São aqueles que nunca nos cansamos de percorrer mesmo que o façamos desde sempre, tornando-se parte da nossa história.

É precisamente pela presença assídua destes locais que os celebro a cada momento e que me sinto uma privilegiada por conviver tão proximamente com locais de beleza tão abrangente, que facilmente poderiam encaixar em postais de turismo ou em fotografias de um editorial exigente. Melhor que isso, sei-os meus porque ao tratá-los de forma tão pessoal sei que no nosso dialogo cabem expressões de amizade recíproca.

A Arrábida, através das suas paisagens, faz-me sentir que o mundo é quase perfeito. E por achar que este estado é partilhável gosto de a fotografar e de a divulgar ao mundo através da lente do meu olhar. Se por um lado a queria manter em segredo, sinto que falar dela é uma forma de enaltece-la levando a que outros a visitem num tributo à sua grandeza.

Embora muito frequentado no Verão, é nas estações mais frias que se torna verdadeiramente possível apreciar o caminho entre Setúbal e a Arrábida. A timidez do sol oferece ao mar uma cor que lhe exponencia a beleza já que aproxima o seu azul de um verde que não encontra reprodução senão nas mais belas poesias da natureza. Entre os setubalenses, gente abonada pela presença desta exuberância natural, este é um típico passeio de fim-de-semana, retemperador, apaziguante e que por ser tão alcançável surge com uma familiaridade intimista.

Com uma banda sonora a gosto e dividindo o olhar entre o manto verde da vegetação da serra e o mar que toca as pequenas praias é a viagem ideal para um dia seco de Inverno em que o aparente cinzento se vê confrontado com o brilhantismo da paisagem.

A viagem poderá ser da volta completa pela serra ou até um determinado ponto, por exemplo uma praia, percorrendo o mesmo caminho de volta. Tudo dependerá do tempo que se tem e da vontade de fazer durar a viagem. As fotos deste artigo são do percurso Setúbal- Praia dos Galapinhos, aquela que foi considerada a melhor praia da Europa e cujas imagens demonstram bem a pertinência da distinção.

A (minha/nossa) Arrábida sabe ser aquilo que de melhor a natureza tem.

Como lá chegar:

O acesso à estrada é fácil para quem está na ponta ocidental da Av. Luisa Todi bastando seguir as indicações de acesso às praias, através da EN10-4. Depois, no cruzamento junto à praia da rasca continua-se pela via da esquerda apanhando a EN379-1, passando-se o Ecoparque do Outão,  a Secil, o Hospital Santiago do Outão, e alcançando-se, por fim, a praia da Figueirinha. Se se continuar pela estrada, passa-se o primeiro túnel até chegar à Praia dos Galapos e de seguida à Praia dos Galapinhos e dos Coelhos.

Sugestões do que fazer (em dia de Inverno):

Parar nos vários miradouros que surgem pelo caminho;

Contar as tonalidades de azul que entre o mar e o céu partilham o horizonte;

Sentar na esplanada na praia da Figuerinha e apreciar o minimalismo da paisagem;

Descer à praia dos Galapos e sentar na areia enquanto se ouve as gaivotas;

Olhar de cima a praia dos Galapinhos (parando com cuidado na estrada);

Fotografar, fotografar, fotografar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: