Setúbal e Palmela, exemplo de boa vizinhança

Setúbal e Palmela, exemplo de boa vizinhança

Vista de Setúbal a partir do Miradouro do Castelo

Uma cidade e uma vila que se entreolham é a narrativa que faz de Setúbal e Palmela um exemplo de boa vizinhança. De Palmela obtém-se das melhores vistas sobre Setúbal, de Setúbal nunca se perde de vista o castelo de Palmela. Esta troca de olhares revela a amizade entre duas terras bonitas, cujas diferenças se complementam dando-lhes uma unicidade interessante para quem visita a região.

De Setúbal a Palmela são cerca de 8 Km, distância pouco imponente e convidativa a  uma amizade recíproca. Pelo caminho fica a baixa de Palmela, um pequeno lugar que marca a meia distância entre as duas terras. Daí pode aceder-se a Palmela por estrada asfaltada, passando pelas localidades de “Aires” e “Volta da Pedra” ou subir a encosta do castelo pela Estrada da Cobra, trajecto feito de areia, predilecto dos ciclistas mais em forma, dada a sua acentuada inclinação.

Já na vila todos os caminhos vão dar ao castelo mas ainda que este se apresente com vaidade legítima, a verdade é que esta vila tem outras imagens de marca. Reconhecida por ser terra de vinhos e de boa gastronomia, Palmela tem na Festa das Vindimas, que ocorre no início de Setembro, o ponto alto da sua actividade cultural convidando todos, na qualidade de boa anfitriã, a percorrer as ruas estreitas e íngremes que fazem a sua geografia.

Junto ao seu famoso castelo, que alberga uma bonita pousada, encontra-se o miradouro a partir do qual se pode observar Setúbal de olhos arrebatados, admirando a Arrábida, no seu verde impoluto, e o rio a perder-se de vista nos braços do horizonte. Ornamentado com diversas oliveiras, que lhe conferem sombra e graciosidade, este é um dos meus locais de eleição para descansar numa tarde quente de Verão ou inspirar-me de forma poética quando os dias frios marcam o calendário.

Mas há outros miradouros que tornam Palmela um local privilegiado para observar. Na Rua dona Maria I, é possível assistir ao por do sol vendo este descair por cima das casas, alaranjando o fim dos dias e desconstruindo a ideia de que o mar é o melhor leito para o sol que adormece.

Abaixo do castelo fica o jardim do Parque Venâncio Ribeiro da Costa. Com um anfiteatro feito de bancos coloridos tem um aprazível parque de merendas convidativo a piqueniques e outros convívios. Pelo meio, encontros com moinhos marcam a originalidade. O sossego por aqui é garantido. O efeito de bosque, conferido pela vegetação, dá uma aura mágica ao local que a muitos passa despercebido mas cuja visita se recomenda.

Depois há a praça central da vila, de tons alvos, com a igreja e o coreto a enche-la (ainda) de mais interesse. O cineteatro S. João assome à esquina e é aqui que é possível assistir aos espectáculos culturais da vila.

De seguida é procurar um lugar para saborear os petiscos da região e o bom vinho que por aqui se produz. A sopa caramela e as fogaças (bolinhos secos com sabor a canela), acompanhadas por um moscatel roxo, cumprirão o propósito de deliciar gostos exigentes e apreciadores de gastronomia tradicional.

Por fim, percorrer a Serra do Louro, inserida no Parque Natural da Arrábida, encontrando mais moinhos e percursos pedestres e deixando que a natureza faça o seu trabalho de charme. Por esta serra pode-se também regressar a Setúbal utilizando a Estrada do Vale dos Barris completando, assim, a volta que se espera perfeita.

 

Rua Dona Maria I, Palmela
Rua Dona Maria I, Palmela
Largo São João Baptista, Palmela
Largo São João Baptista, Palmela
Pormenor da escadaria colorida do Parque Venâncio Ribeiro da Costa
Moinho inserido no Parque Venâncio Ribeiro da Costa
Vista da Torre do Castelo de Palmela a partir do Parque Venâncio Ribeiro da Costa
Miradouro do Castelo de Palmela

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: